NAZISMO

O comício nazista que juntou milhares de pessoas em Nova York em 1939

Em 1939, dois anos antes de os Estados Unidos entrarem em guerra contra a Alemanha, um comício nazista reuniu milhares de pessoas no Madison Square Garden, em Nova York. O local é um dos centro de eventos mais famosos do mundo. O evento foi promovido por uma entidade chamada German American Bund (ou Liga Germano-Americana), formada primordialmente por imigrantes alemães.

Vídeo relacionado:

O evento, que aconteceu em 20 de fevereiro daquele ano, foi comandado por Fritz Kuhn (conhecido como o “Hitler dos EUA”), o líder do grupo. Cerca de 22 mil membros da Liga compareceram ao evento.  A noite foi marcada por marchas de militantes usando uniformes nazistas, palavras de ordem anti-semitas e saudações ao Führer. 

No palco, havia uma grande imagem de George Washington cercada por bandeiras da entidade. Segundo Arnie Bernstein, autora de um livro sobre a Liga, o grupo queria dar um verniz de patriotismo à pregação nazista. O objetivo deles era “criar uma sociedade branca e livrar os Estados Unidos dos sindicatos comandados por judeus e orientados por Moscou”. 

Muitos moradores de Nova York se revoltaram com o evento. O pequeno Partido Socialista dos Trabalhadores liderou uma manifestação contra o comício nazista. Foram distribuídos 200 mil folhetos convocando o povo para o protesto: “Não espere pelos campos de concentração — Tome uma atitude agora!”

Milhares de pessoas compareceram à manifestação anti-nazista do lado de fora do Madison Square Garden. Policiais montando cavalos tiveram que conter diversos focos de confronto entre os admiradores de Hitler e seus oponentes.  Um manifestante judeu chamado Isadore Greenbaum chegou a invadir o evento para tentar agredir Fritz Kuhn, que fazia um discurso anti-semita. Greenbaum  foi agarrado e espancado pelos nazistas. A polícia conseguiu tirá-lo de lá, mas ele acabou sendo preso por “promover baderna”. 

A Liga Germano-Americana foi dissolvida em 1941, depois que Kuhn foi preso, após ser condenado por fraude fiscal e peculato. Ele teve revogado seu direito à cidadania dos Estados Unidos em 1943 e dois anos depois foi extraditado para a Alemanha. 


Fonte: Washington Post

Imagem:  Departamento de Defesa dos EUA, via Wikimedia Commons