TERRORISMO

Filmagens secretas revelam terror e repressão na "capital" do ISIS

Novas filmagens revelam a rotina de terror e repressão em Raqqa, na Síria, uma cidade tomada a força como "capital" por extremistas islâmicos.

Matéria publicada originalmente em 16/03/2016. O Estado Islâmico permanece no controle da cidade de Raqqa.

 

Duas corajosas mulheres arriscaram suas vidas para expor ao mundo um pouco do dia a dia da população civil, submetida ao duro regime do ISIS, ou o Estado Islâmico, que ocupa a área desde 2013.

 

Assista nova série SIX: ESQUADRÃO ANTITERRORISTA. Estreia sábado, 5 de agosto, às 23h35.

 

As mulheres realizaram filmagens escondidas e, se tivessem sido pegas, poderiam ter sido executadas com pedradas em praça pública. Vale lembrar que sob as rígidas regras do ISIS, mulheres não podem mostrar nenhuma parte do corpo em público, não podem andar desacompanhadas e estão proibidas de trabalhar ou estudar.

 

As imagens foram inicialmente exibidas pelo site do jornal sueco Expressens. As duas mulheres tiveram suas vozes alteradas e também seus nomes foram mudados para Om Omran e Om Mohammad com o objetivo de proteger suas identidades. As duas esperam um dia fugir do país e voltar a vestir suas roupas de antes e ter a liberdade de ir a qualquer lugar sem precisar de um "guardião".


Reduto terrorista

Raqqa funciona como reduto ou califado do ISIS. Nas filmagens são mostrados edifícios e casas luxuosas que são ocupadas pelos soldados estrangeiros. Os antigos donos foram expulsos ou mortos pelo pessoal do ISIS, dizem as mulheres do vídeo. Enquanto elas andam num táxi, escuta-se ao fundo, no rádio, um hino louvando Abu Bakr al-Baghdadi, alta figura do Estado Islâmico.

 

O ISIS varreu da cidade qualquer vestígio de cristianismo - a maior igreja de Raqqa é agora sede da organização e outras estruturas religiosas foram completamente destruídas. Açoitamentos públicos e execuções também são práticas comuns, assim como atirar homossexuais do alto de telhados. Centenas de pessoas se reúnem para assistir às cenas, inclusive crianças.




 


Fonte: Business Insider
Imagem: Reprodução YouTube/Expressen's/Propaganda ISIS