Antigo Egito

Estilo no Mundo Antigo: Descoberta mulher egípcia com mais de 70 extensões de cabelo

No cemitério da atual cidade de Amarna, no Egito, arqueólogos descobriram diversos restos mortais de pessoas que foram enterradas com elaborados penteados há, aproximadamente, 3.300 anos. Entre os corpos, destaque para o de uma mulher encontrada com um penteado incrivelmente elaborado, com longas extensões de cabelos. Ela não estava mumificada. Seu corpo foi, simplesmente, envolvido em um tapete. Seu penteado poderia ser considerado complexo até para os dias atuais.

“Ela foi encontrada com cerca de 70 extensões presas em diferentes camadas e alturas na cabeça", de acordo com Jolanda Bos, arqueóloga que trabalha no Projeto Amarna, em artigo publicado recentemente no Jornal de Arqueologia Egípcia. Muitos dos outros crânios analisados por Bos também apresentam as extensões de cabelo. Um crânio tinha extensões feitas de cabelo cinza e preto escuro, o que sugere que outras pessoas faziam doações para as extensões.

De cabelo preto crespo aos marrons lisos

Dos 100 crânios do cemitério Armana examinados por Bos, 28 ainda possuíam madeixas. Ela notou que as pessoas que viviam na cidade antiga tinham uma grande variedade de tipos de cabelo. Os fios vão "de cabelo preto crespo, aos marrons lisos", observou a arqueóloga em artigo de jornal, algo "que pode refletir um grau de variação étnica", de acordo com o estudo publicado por Bos.

Para criar os penteados, as pessoas usavam gordura e isso teria ajudado a manter o cabelo depois da morte. O que os pesquisadores ainda não sabem é se esses penteados eram produzidos antes do enterro ou se o uso de extensões capilares era algo comum na vida cotidiana. Fica aí a dúvida que deverá ser respondida após estudos mais detalhados.

Fontes:

Projeto  Amarna

Live Science