ZONA DE CONFLITO

Conheça os muçulmanos que arriscaram a vida para salvar judeus na II Guerra

As histórias são a prova de que a solidariedade humana vai além da fronteira ideológica e religiosa!

 

Às vezes os verdadeiros heróis aparecem na pele das pessoas mais improváveis. É o que comprovam as incríveis histórias de muçulmanos que arriscaram suas vidas e de suas famílias para salvar judeus durante a Segunda Guerra.

  

As histórias, que estão expostas em uma sinagoga em Nova York, comemoram o dia memorial do Holocausto, criado na Europa em homenagem às vítimas. 

 

Conheça algumas: 

 

Kaddour Benghabrit

Kaddour Benghabrit

Durante a Segunda Guerra, o fundador do Instituto Muçulmano da Grande Mesquita de Paris ajudou a forjar papeis atestando que os judeus eram, na verdade, muçulmanos. Assim, salvou centenas de pessoas da deportação ou do envio para os campos de concentração. 

 

Abdelhamid Ben Badis

Abdelhamid Ben Badis

Fundou a Liga Algeriana de Muçulmanos e Judeus. Seu sucessor, Taieb El-Okbi, emitiu uma ordem que proibia matar e se apoderar de bens de judeus. 

 

Bayezid II

Bayezid II

O sultão do Império Otomano enviou uma esquadra para resgatar judeus da Espanha logo após a ordem de expulsão, em 1942. O sultão não apenas reassentou os refugiados como também lhes deu cidadania. 

 

Rei Zog I

Rei Zog I

A Albânia, um país majoritariamente muçulmano, abriu suas fronteiras aos judeus refugiados durante a Segunda Guerra. Além disso, o Rei instruiu todas as embaixadas albanesas pelo mundo a emitir vistos a judeus que precisassem de ajuda. O país foi o único do continente europeu a ter mais judeus depois da Guerra. 

 

Muhammad V

Muhammad V

O sultão do Marrocos se recusou a seguir as ordens antissemitas do governo francês (controlado pelos nazistas) que exigiam a exclusão imediata de 200 mil judeus de funções públicas, obrigando-os a usar uma estrela amarela. Para confrontar ainda mais os alemães, o sultão convidou dezenas de rabinos para a celebração do seu sultanato, em 1941. 

 

“Essas histórias são poderosas porque mostram uma perspectiva diferente à humanidade: que há esperança mesmo em tempos como o do Holocausto”, disse à Revista Time o professor especializado em Islã e Holocausto, Mehnaz Afridi.

 

As narrativas foram retiradas do site I Am Your Protector – algo como “Sou Seu Protetor”. A ideia é divulgar casos de solidariedade entre seres humanos que estão, teoricamente, em lados opostos. O projeto não se limita apenas a judeus e muçulmanos. Fala sobre refugiados, imigrantes ilegais e de pessoas que enxergam humanidade na outra, independente de qualquer crença, cor ou origem. Vale a visita.

 

 


FONTE: I Am Your Protector e Time
IMAGENS: I Am Your Protector/Reprodução