MUNDO DESCONHECIDO

Como era o estranho sistema estelar descoberto pelos egípcios

O primeiro registro do misterioso sistema Algol data de 1.244 a.C., em um calendário do Antigo Egito, que ocupa lugar de destaque na medição do tempo.

Esse conjunto foi nomeado pelos antigos egípcios como “a estrela demônio” e chamou a atenção dos estudiosos do céu. Entretanto, no passado, acreditava-se que se tratava de um sistema binário. Mais tarde, confirmou-se que Algol é formado por três estrelas que orbitam entre si.

[O HISTORY AGORA ESTÁ NO SPOTIFY: CLIQUE AQUI E SIGA-NOS]

 



O mais interessante e surpreendente desse sistema localizado na constelação de Perseus é que suas duas estrelas principais se eclipsam, gerando um ciclo de regularidade perfeita: quando a estrela maior diminui sua intensidade por 10 horas, os observadores sabem que ela está sendo eclipsada pela menor, um fenômeno de 2 dias, 20 horas e 49 minutos de duração.

Milhares de anos depois de os egípcios descobrirem e utilizarem esse sistema, cientistas começaram a estudá-lo: em 1881, Edward Charles Pickering acreditou se tratar de um sistema binário e, anos depois, Joel Stebbins, utilizando um fotômetro e medindo o espectro, supôs que havia um terceiro objeto envolvido.

Pouco tempo depois, a suposição foi confirmada. Atualmente, o interferômetro CHARA permite ver a dança desses três elementos com clareza absoluta e impressionante.

 

 


Fonte: Fabio
Imagem: Nevada31/Shutterstock.com