CURIOSIDADES

7 coisas que você não sabia sobre a Batalha de Waterloo

Em 18 de junho de 1815, o reinado do imperador e líder militar francês Napoleão Bonaparte terminou com sua derrota na Batalha de Waterloo, no atual território da Bélgica. O conflito encerrou as seculares guerras anglo-francesas pelo controle da Europa e marcou o fim da dominação francesa sobre o continente. Dois séculos após Napoleão ser vencido em Waterloo, conheça sete fatos surpreendentes sobre uma das batalhas mais importantes da história europeia.

 

1. Quando Napoleão foi derrotado em Waterloo, ele não estava exatamente em Waterloo

Apesar de seu nome, a batalha foi travada a 5 km ao sul da cidade de Waterloo, nas vilas de Braine-l’Alleud e Plancenoit, ao longo do Mont-Saint-Jean. Enquanto os franceses se referiam ao confronto militar como “Batalha do Mont-Saint-Jean”, ele se tornou conhecido na maior parte do mundo como “Batalha de Waterloo”. Isso porque o Duque de Wellington, que liderou as forças vitoriosas, montou sua sede na vila, e a data escrita no relatório oficial que ele enviou à Grã-Bretanha acabou sendo relacionada, na memória popular, à batalha. “Napoleão nunca colocou os pés em Waterloo – isso é um fato”, contou ao Wall Street Journal o historiador belga e ex-morador de Waterloo Bernard Coppers.

 

2. As tropas britânicas eram apenas uma minoria no exército de Wellington

O Duque de Wellington pode ter sido britânico, mas o exército que ele liderou na batalha era uma força multinacional. As tropas britânicas representavam apenas um terço do exército de Wellington, e a maioria dos soldados eram irlandeses, galeses e escoceses (o próprio Wellington nasceu na Irlanda e de ancestrais anglo-irlandeses). Aproximadamente metade das forças de Wellington vinha de estados alemães, e também havia um número considerável de belgas e holandeses. Além do exército de Wellington, mais de 50 mil prussianos, sob o comando do Marechal Gebhard Leberecht von Blücher, chegaram ao campo de batalha no final da tarde e mudaram o rumo desta.

 

3. Derrotado, Napoleão considerou fugir para os EUA

Após a Batalha de Waterloo, Napoleão regressou a Paris, onde ele foi obrigado a abdicar de seus poderes em 22 de junho de 1815. Ele se dirigiu à cidade litorânea de Rochefort, de onde pretendia viajar de navio para os EUA, que tinham acabado de sair de uma guerra contra a Grã-Bretanha. “Você deve ter ouvido falar do novo infortúnio do imperador”, escreveu um dos parentes de Napoleão a outro, após sua renúncia. “Ele está indo para os EUA, aonde todos nós iremos para nos unir a ele”. Os navios britânicos, no entanto, bloquearam as saídas de Rochefort, e o ex-imperador não queria correr o risco de ser pego escondido a bordo de um barco. Com a passagem impedida para os EUA, Napoleão se rendeu a um navio de guerra britânico em 15 de julho de 1815 e, três meses depois, foi exilado na remota ilha de Santa Helena, no Atlântico Sul, onde viveu seus últimos seis anos, até morrer, em 1821. José, o irmão de Napoleão e que fora deposto como rei da Espanha, conseguiu fugir para os EUA de outro porto francês e viveu em Nova Jersey por 15 anos. Outros bonapartistas refugiados se estabelecerem na colônia de curta duração Vine and Olive, no Alabama.

 

4. Tempo chuvoso causou um atraso fatal a Napoleão

Uma forte chuva caiu sobre a região em torno de Waterloo na noite anterior à batalha. A artilharia de Napoleão era um de seus maiores trunfos, mas o imperador francês temia que as condições do terreno impedissem o avanço de seus homens, dos cavalos e das armas pesadas. Na expectativa de que o solo secasse, Napoleão esperou até o meio-dia para dar início ao ataque. Mas o atraso lhe custou caro, pois permitiu que o exército prussiano de Blücher se unisse à Grã-Bretanha antes de a França poder derrotar as forças de Wellington.

 

5. As hemorroidas podem ter sido o verdadeiro “Waterloo” de Napoleão (“loo”, em inglês, significa banheiro)

Conforme detalhado no livro de Phil Mason, “Napoleon’s Hemorrhoids: And Other Small Events That Changed History” (na tradução, “As Hemorroidas de Napoleão: E Outros Pequenos Acontecimentos que Mudaram a História”), alguns estudiosos acreditam que o líder militar francês tenha sofrido um ataque doloroso de hemorroidas na manhã da Batalha de Waterloo, o que o impediu de montar seu cavalo para inspecionar o campo de batalha, como era de seu costume, e isso pode ter contribuído para sua derrota. No entanto, o especialista em Waterloo Alasdair White disse ao New York Times que essa história é um “mito absoluto”, inventado pelos defensores de Napoleão, pois eles “não querem aceitar que um grande homem tenha sido derrotado, então preferem acreditar que alguma coisa errada aconteceu com ele”.

 

6. Catadores pegaram “dentes de Waterloo” de soldados mortos para fazer dentaduras

Algumas horas após o fim da batalha, moradores locais, munidos de alicates, pequenos martelos e cinzéis, começaram a remover os dentes da frente de milhares de soldados que jaziam mortos no campo de batalha. Com uma demanda grande pelos dentes humanos, os saqueadores venderam os objetos roubados para dentistas, que os transformaram em dentaduras. De acordo com o National Army Museum da Inglaterra, os dentistas ingleses não se importavam em expor sua fonte, anunciando as dentaduras como “Dentes de Waterloo” ou “Marfim de Waterloo”. Mesmo à época da Guerra Civil, dentistas ingleses continuaram a comercializar os dentes de soldados mortos, que ainda eram chamados de “Dentes de Waterloo”.

 

7. O Duque de Wellington embolsou um tributo considerável

O tratado de paz acordado entre a França e os poderes europeus em novembro de 1815 reduziu o tamanho do território francês e obrigou a nação derrotada a pagar uma enorme indenização ao longo de cinco anos. Em reconhecimento ao seu serviço, o Parlamento concedeu ao Duque de Wellington 200 mil libras britânicas, equivalentes a 15 milhões de libras atuais, segundo o Royal Engineers Museum.

 


Imagem: William Sadler II/Pyms Gallery [Domínio público], via Wikimedia Commons