lua

5 mitos sobre a Lua que persistem até hoje

A Lua é redonda? É branca? Tem um lado escuro? Altera o estado mental das pessoas?

Vídeo relacionado:
A Lua tem sido motivo de inspiração para todas as épocas da humanidade, que, a partir dela, criou lendas e historias em todos os cantos do planeta. Até os dias de hoje, ainda persistem crenças, que, contra todo o tipo de lógica, ancoram-se na mais pura mitologia. Estas são algumas delas:

1. Nem branca nem redonda e tampouco com um lado escuro: A partir de um ponto de vista terrestre, a Lua é vista como branca e redonda. A tradição popular acredita que um de seus lados fica sempre na escuridão. Certamente, e assim como a Terra, nosso satélite natural gira em torno do seu eixo, o que faz com que toda a sua superfície reflita a luz solar, embora, daqui, vejamos apenas uma metade. Além disso, a Lua não é redonda, mas oval, e sua cor não é branca, mas sim cinzenta.

2. Os lobos não uivam por causa dela: Esse mito está tão arraigado que fez com que se acreditasse que os lobisomens se metamorfoseassem por causa da luminosidade da Lua cheia. Não há provas de que essa fase lunar cause algum efeito sobre os animais, embora algumas espécies, como certos peixes e répteis, regulem seus ciclos de acordo com as marés e a Lua cheia.

3. Não é oca: Com raízes na ficção científica e surtos de crença por todos os lados, por meio das teorias conspiratórias mais hilariantes, a crença de que a Lua é oca existe até hoje. De acordo com a ciência, a estrutura lunar é parecida à terrestre, com uma crosta fina, um manto extenso e um núcleo mais denso que o restante das camadas.

4. Ela não enlouquece as pessoas: Não está clara a origem dessa crença popular. Certamente, o termo lunático é usado desde sempre e faz referência a um estado de consciência doentio. No entanto, não há evidências científicas de que a Lua altere o estado mental das pessoas.

5. O homem pisou na Lua? Claro que sim! Pelo menos, isso é o que concluem as inúmeras análises realizadas sobre os testes que comprovam esse fato; por exemplo, a maneira com que as bandeiras americanas hasteiam nos vídeos da NASA. E também pelas sombras dos astronautas e diversos elementos utilizados pela tripulação.


Fonte: Xataka

Imagem: Shutterstock