Hoje na história

11.ago.1903

Morre Eugenio María de Hostos

Eugenio María de Hostos nasceu em 1839 e faleceu em 11 de agosto de 1903. Foi um escritor porto-riquenho que estudou direito em Madri, em cuja universidade viveu em um ambiente progressista e reformista, alentado por professores e alunos liberais. Logo se tornou um republicano revolucionário, convencido de que a renovação da Espanha passava pela derrocada da monarquia. Em Madri, após realizar uma célebre conferência no Ateneu, no final de 1868, decidiu iniciar a luta pela independência de Cuba e Porto Rico. Pouco antes, havia tomado parte na revolução Gloriosa que destituiu Isabel II do poder e, um pouco mais tarde, apoiou seus amigos e parceiros Pi i Margall e Castelar, na implantação da primeira república na Espanha. Decepcionado, ao não encontrar eco de suas ideias a favor da independência das Antilhas espanholas, abandonou a Espanha e instalou-se em Nova Iorque, onde se uniu aos revolucionários de Cuba e Porto Rico. A atitude da Espanha para com suas últimas colônias o levou a idealizar uma Federação Antilhana independente, projeto que deu a conhecer e difundiu durante suas frequentes viagens pelos países sul-americanos, tratando de conseguir seu apoio e reconhecimento. Neles desenvolveu seu trabalho de político, sociólogo, pedagogo e moralista, que se traduziu em muitas obras, como Minha Viagem ao Sul (1872), Hamlet, Ensaio Crítico (1874), Da Educação das Crianças (1875) e um pouco mais tarde, já em Santo Domingo, Lições de Direito Constitucional (1887), Moral Social (1888) e o póstumo Tratado de Sociologia (1904). Foi um educador para a liberdade, preocupado pela reforma espiritual e social que permitisse o desenvolvimento de instituições republicanas democráticas. Fundou a Escola Normal, na República Dominicana e participou na reforma dos estudos de Direito, na Universidade de Santiago do Chile.

 


Imagem: Francisco Oller [Domínio público], via Wikimedia Commons