Hoje na história

16.fev.1959

Fidel Castro é empossado primeiro-ministro de Cuba

Em um dia como este, no ano de 1959, Fidel Castro era empossado primeiro-ministro de Cuba após liderar uma guerrilha que forçou o ditador Fulgencio Batista ao exílio na República Dominicana. Castro, que se tornou comandante-chefe das forças armadas de Cuba depois que Batista foi deposto, em 1 de janeiro, substituiu o mais moderado Miro Cardona como chefe do novo governo provisório do país.
 

Condena-me, não importa, a história me absolverá.

 
Os Estados Unidos, inicialmente, reconheceram o novo ditador cubano, mas retiraram seu apoio depois que Castro lançou um programa de reforma agrária, nacionalizou os ativos americanos na ilha e declarou ser um governo marxista. Os cidadãos mais ricos de Cuba fugiram para os Estados Unidos, onde se juntaram à CIA para derrubar o regime de Castro. Em abril de 1961, com treinamento e apoio por parte da CIA, os exilados cubanos tentaram atacar Cuba em uma fracassada invasão que ficou conhecida como “Baía dos Porcos". A União Soviética reagiu ao ataque, aumentando seu apoio ao governo comunista de Fidel Castro e, em 1962, instalou mísseis em Cuba. A descoberta dos mísseis pela inteligência dos EUA levou à tensa "Crise dos Mísseis Cubanos". Mais tarde, os soviéticos concordaram em retirar as armas em troca de uma promessa de que os EUA não invadiriam Cuba.
 

Ideias não precisam de armas se elas podem convencer as grandes massas.

 
Após o colapso da União Soviética, em 1991, Castro perdeu uma valiosa fonte de ajuda, mas, a partir daí, começou a aceitar investimentos turísticos no país. Em julho de 2006, Castro cedeu temporariamente o poder a seu irmão Raúl após uma cirurgia intestinal. Por conta de sua debilitada saúde, Fidel deixou oficialmente o governo em fevereiro de 2008.
 

Cheguei à conclusão, talvez um pouquinho tarde, de que os discursos devem ser curtos.