Hoje na história

19.out.1889

Carlos I assume o trono de Portugal

Carlos I de Portugal, também conhecido como o Martirizado ou o Mártir. Foi o penúltimo rei de Portugal. Era filho do rei Luis Felipe e a princesa Maria Pia de Saboia, filha de Vítor Manuel II, rei da Itália. Carlos tornou-se rei no dia 19 de outubro de 1889. Homem inteligente, porém propenso às extravagâncias. A política, esbanjamentos e casos extraconjugais de Carlos selaram o destino da monarquia portuguesa. Os tratados coloniais com o Reino Unido (um assinado em agosto de 1890, que definiu suas fronteiras africanas ao longo do Zambeze e do Congo, e outros assinados em 14 de outubro de 1899 que confirmavam os tratados coloniais do século XVII) estabilizaram a situação na África. Domesticamente, Portugal foi declarada na bancarrota duas vezes - em 14 de junho de 1892, e novamente em 10 de maio de 1902 - causando distúrbios industriais, antagonismo com socialistas e republicanos e crítica da imprensa e da monarquia. Carlos deu sua resposta ao nomear João Franco como primeiro ministro e subsequentemente aceitando a dissolução do Parlamento. Em 1º de fevereiro de 1908, a família real regressou do palácio de Vila Viçosa a Lisboa. Viajavam de carro para Almada e a seguir tomaram um barco para cruzar o rio Tajo e desembarcar em Cais do Sodré, no centro de Lisboa. Em seu caminho para o palácio real, a carruagem com Carlos I e sua família passou por Terreiro do Paço. Enquanto cruzavam a praça, foram disparados vários tiros da multidão por dois homens: Alfredo Costa e Manuel Buiça. O rei morreu imediatamente, seu herdeiro Luís Felipe ficou mortalmente ferido, e o príncipe Manuel foi atingido em um braço. Os assassinos foram mortos a tiros no local por guarda-costas, e posteriormente foram reconhecidos como membros do Partido Republicano. Aproximadamente vinte minutos depois, o príncipe Luis Felipe morreu, e dias mais tarde, Manuel foi proclamado rei de Portugal, o último da dinastia dos Bragança.

 


Imagem: Alvesgaspar [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons